quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Férias... para que te quero

Hoje, olhei com mais atenção para o calendário e me surpreendi com a constatação de que estamos no final do ano. Bem que eu havia notado as casas do bairro já com as guirlandas de natal nas portas. Mas a realidade parece cruel quando penso no que ainda tenho que dar conta nesse ano de 2007.
Constatei, também, que ando meio aérea nesses últimos dias. Como dizem meus alunos “fora da área de cobertura”. São tantos os textos para ler, tantos trabalhos para entregar, tantas aulas a assistir, tantas provas para elaborar, tantos alunos para acalmar, tantos...
No meio dessas reticências, eu ainda preciso arranjar tempo para viver. Ainda preciso amar meu amor, ainda preciso abraçar minha família, ainda preciso preservar minhas amizades antigas e cultivar as novas, ainda preciso dançar a vida e celebrar os dias ensolarados que têm enchido meu jardim de coloridas flores.
Até que não tenho me saído tão mal na distribuição do meu tempo. O problema reside na idéia do tempo, nas horas, nos dias, na agenda que marca os compromissos, no relógio que limita minhas ações.
Ando tão cheia de falta de tempo que as pessoas que comigo convivem já têm comentado que ando em constante contradição, em perplexa nostalgia. Mas isso é fruto do desejo angustiante de umas férias. Nunca pensei que diria isso, mas preciso urgentemente de dias em que eu possa colocar todos os relógios da casa no armário e acordar, dormir, comer e fazer nada quando der vontade.
Dia 21 de dezembro darei tchau às aulas que ministro, apesar de continuar até 12 de janeiro na pós-graduação. Depois, pernas pro alto, balanço mole na rede, suco gelado e algumas leituras pra não perder o contato com o mundo real.
Se der o dinheiro, uma prainha, pode ser do sul mesmo, não vou ostentar o Nordeste no verão, deixo para a baixa temporada.
Mas o que mais quero mesmo é saber que são férias. Que o tempo do ócio terminará em data previamente marcada. Pois, só essa certeza garantirá o descanso absoluto, a certeza de continuar empregada!

Um comentário:

Jô Amaral disse...

Oi sôra!! só passei p dar um oi!!