domingo, 1 de junho de 2008

Cambará do Sul: inusitada


......Nesse último final de semana, resolvemos, meu marido e eu, em mais um ato de insanidade, viajar para Cambará do Sul. Fazia tempo que falávamos em conhecer Aparados da Serra, onde estão os cânions gaúchos.
......Pois bem, percebendo que o termômetro só prometia baixar, arrumamos as malas, entulhamos o carro de tralhas e saímos no sábado, às 5h da manhã, num frio de menos 0°C.
......Estávamos entusiasmados, como sempre, com nossa aventura.
......Próximos a Tainhas, notamos gelo nos espelhos laterais do carro. Com o sol nascendo, a paisagem a nossa volta ia se tornando mais perceptível: campos e campos brancos de geada. Dentro do carro, aquecidos pelo ar condicionado, admirávamos o que víamos.
......O sol nascendo entre os morros brancos e as araucárias é algo que só vendo.
......Chegamos a Cambará por voltas das 8h e fomos direto procurar por uma pousada. Quase passamos pela cidade. O centro é minúsculo, não mais do que uma avenida central e algumas ruas transversais. Fizemos o retorno quando nos demos conta disso e seguimos as indicações sobre uma pousada.
......No mesmo dia, fomos direto ao Itaimbezinho, o único parque com certa infra-estrutura para se fazer as trilhas. O parque Fortaleza requer prática ou guias (pagos, claros). Passamos uma manhã inesquecível.
......Fizemos a trilha do Cotovelo, com uma média de 3h de caminhada. Valeu a pena. O que encontramos pelo caminho é de tirar o fôlego. Os cânyons são enormes e a gente perde a noção de espaço e de tempo quando se está a admirá-los. Além disso, tivemos a companhia da famosa gralha azul, lindíssima, e de um veadinho que corria entre a mata.
......Fazia frio, claro, e encontrar gelo ao longo de toda a caminhada, foi inédito para nós.
......Na pousada, ficamos sabendo que a cidade só possuía três restaurantes. Fomos ao único que aceitava o cartão Visa. Viagem impulsiva nem sempre é feita com dinheiro no bolso.
......Cambará é uma cidade hospitaleira. O povo gosta de bater um papo, contar sua história, prosear. Ainda não foi invadida pelas grandes agências de turismo, não vimos nenhuma van da CVC. Somente duas agências locais fazem os passeios de eco turismo. Só há um banco na cidade, uma praça, uma agência de Correios, uma avenida, quase nenhum local aceita cartão de crédito, mas todos recebem cheques sem nem pedir a carteira de identidade ou um telefone para contato. Não há pedágio de Canoas até lá, pela estrada de Taquara, e mesmo assim, contrariando o que diz o governo, as estradas são ótimas, bem sinalizadas e asfaltadas.
......A pousada em que ficamos é aconchegante e barata, com um café da manhã maravilhoso e com todos os quartos ocupados por gente que está mesmo a fim de fugir do comum.
......E lá é frio. Nem a calefação dava conta de aquecer totalmente o quarto. O ventinho, à noite, cortava a pele.
......Na volta, ainda passamos pela praça e conhecemos melhor São Francisco de Paula, outra cidade minúscula, mas com mais estrutura do que Cambará, com belezas naturais mal administradas, não deu nem pra chegar perto das cachoeiras.
......Em fim, irresistível como sempre, não conseguimos voltar direto pra casa, sem antes passar por Canela, Gramado e Nova Petrópolis.
......Um fim de semana perfeito: com muita beleza, muito frio, muita comida e em cidades maravilhosas do nosso estado.

3 comentários:

mariacleci disse...

Sora visitamos na Páscoa é muito lindo, muito frio e muita comida, mas adoramos.Bjs

Ane de Mira disse...

Também pasamos maior frio, mas foi um ótimo final de semana. É um lugar lindo mesmo.

Anônimo disse...

Olá,
Eu gostaria de saber o nome da pousada que você ficou em Cambará?
Obrigada
Cristiane