sábado, 23 de outubro de 2010

O que dizer...

Não me lembro de um momento na vida que tenha sentido mais necessidade de escrever do que agora. E também não me lembro de ter passado pela mesma situação que vivo hoje, simplesmente porque não a vivi.
Escrever sobre felicidade, superação, vontade sempre tem sido tranquilo para mim, não que eu não tenha problemas, sempre os tive, como qualquer ser humano. Porém, fato novo na vida, fato que nos exige firmeza de posturas quanto a nosso enfrentamento da vida, quanto ao nosso olhar de fé sobre ela e tudo o que significa viver sempre nos traz sentimentos de incapacidade, impotência, medo do amanhã, estranheza ao que sempre tivemos como seguro e certo.
O que anda zonzeando minha cabeça e a de minha família é a descoberta de um câncer em meu pai. Descoberta dessas por acaso, se acaso existisse, dessas advindas de um exame de rotina. De um simples exame laboratorial, passou-se a conviver com exames infindáveis, biópsia, consultas com diversos especialistas, marcação de cirurgia e o pré-operatório, de todos nós, pois mexer em nosso ente querido é arrancarnos um pedaço.
Mas o que mais me toca não é o fato da doença em si, nem a ele, mas o sofrer esse não sei o que fazer diante do inexplicável, do inesperado, da surpresa e da rapidez com que a vida pode mudar num repente.
Hoje, ele esteve comigo, pude compartilhar de suas lágrimas de temor, não desespero, de impotência, não de falta de fé, pois meu pai é dessas pessoas que nasceram para serem heróis, e não é pela situação que agora nos toma que digo isso, sempre o disse, inclusive para ele.
Se hoje sou forte é porque ele me ensinou a sê-lo, se hoje posso erguer a cabeça e me dizer uma pessoa de bem, honesta e vencedora, foi porque sempre tive e sempre terei um herói de verdade em quem me espelhar.
Meus pais, de igual maneira, têm deixado aos seus filhos a melhor herança que alguém pode deixar: confiança, não em si, como ser todo poderoso, mas em Deus, fé inabalável. Eles são meus melhores exemplos de fiéis, de seguidores de Cristo, de filhos de Deus.
Meus pais, mi papá y mi mamá, son y siempre serán la razón primera del latido de mi corazón, de la seguridad que siento en nuestro Dios, de la fe que compartimos, allá de las diferencias superficiales.
Les quiero, les dejo a mano del Padre, que siempre está acalentando nuestras almas.
Dará tudo certo e esse certo pode ser tudo, inclusive, o inesperado, mas no final estaremos todos juntos, como sempre estivemos.
.
.
.
A foto foi tirada no Natal de 2008, na casa dos papis.

3 comentários:

Caren diLima disse...

Hero... powerful word, my sis. But, I feel that he knows very well what we're all feeling now. Our parents are the best anyone can imagine! And our GOD ~ will yet take us beyond!!! L.O.V.E. forever. Thanks for all =) Jesus bless u.

Affection from your sis, Caren diLima

Ane Patrícia de Mira disse...

No lo comprendo bolu.

Jane disse...

Oi Ane, faz tempo que não olhava seu blog, tenho trabalhado que nem uma doida nesse ano que se encerra que não me sobra tempo para mais nada,mas senti na pele um pouquinho do que relatas no texto e resolvi dividir... esse ano fazendo os exames de rotina de todo ano, na ecografia mamária (a mamografia não detectou nada, daí a importância de se fazer a ecografia) apareceu um nódulo na mama esquerda, minha gineco encaminhou para o mastologista que solicitou uma biópsia, quando voltei ao consultório ele disse que provávelmente não era um cancer apesar de existir um risco, e que para eu ficar 100% tranquila deveria fazer uma cirurgia de retirada do nódulo (implicando em todos os riscos de uma cirurgia) e mandar para análise, me deu a baixa hospitalar, solicitação de exames e tudo mais... entreguei na mão de Deus, em momento nenhum tive medo ou vacilei pois sei que nada que Deus não permita acontece em minha vida e que se eu estava passando por aquilo não era por acaso. Fiquei preocupada com um monte de pendência materiais que eu teria que resolver, trabalho... lá pelas tantas uma campainha tocou e pensei vou procurar a opinião de outro profissional, entrei no site do IPÊ e ao acaso peguei um mastologista, ele olhou meus exames e disse que não indicava cirurgia quew eu ficasse tranquila e repetisse a mamografia daí a dois meses, foi o que fiz com o DR. Dakir da SERDIL, disse para ele o porque de estar repetindo os exames, ele sorriu, pegou na minha mão e disse vai para a casa tanquila, isso é apenas um nódulo não tem porque mexer, nem fazer cirurgia... resumindo é isso, sempre temos uma tendência para esperar o pior, penso que é nessas horas que somos testados e que nossa fé é colocada a prova, tenho certeza que seu pai vai ficar bem, todo o Domingo ás 20 hs faço o estudo do evanvelho na minha casa, pedirei pela saúde do seu pai... boa semana!!! Jane.